Connect with us

BITCOIN

Descentralização vs Centralização

Descentralização vs. Centralização

Como primeiro tópico, queremos apresentar uma breve história do dinheiro.

Historicamente, quando se trata de transações com dinheiro ou qualquer coisa de valor, as pessoas e as empresas têm plena confiança em intermediários como bancos e governos para garantir confiança e certeza. Os intermediários executam uma série de tarefas importantes que ajudam a criar confiança no processo transacional, como autenticação e manutenção de registos.

A necessidade de intermediários é especialmente critica quando se faz uma transferência. Como os ativos digitais, como dinheiro, ações e propriedade intelectual, são essencialmente ficheiros, eles são incrivelmente fáceis de reproduzir. Isso cria o que é conhecido como o problema do gasto duplo (o ato de gastar a mesma unidade de valor mais de uma vez) que até agora impedia a transferência de ativos digitais de pessoa para pessoa.

Mas e se houvesse uma maneira de realizar transações digitais sem um intermediário? Bem, existe uma nova tecnologia hoje que torna isso possível. Mas antes de mergulharmos na mecânica dessa tecnologia revolucionária, é importante fornecer um pouco de contexto e como foi a evolução da internet.

A história da internet e sua evolução.

Durante a primeira fase da internet, entre 1992 e 1997, a internet começou como um sistema descentralizado, onde todos puderam criar sites conectados por meio de links. Não havia sistema de controle, ou seja, as pessoas eram capazes de formatar texto e foto (o vídeo não estava disponível naquela época) da maneira que necessária a poder ser implementada a grande escala.

Nesse sistema descentralizado, todos escolheram a maneira pela qual queriam monetizar seu conteúdo, seja por meio de publicidade ou assinaturas.

A grande maioria dos sites escolheu NÃO gerar receita. Uma minoria optou por obter receita de publicidade, enquanto alguns sites optaram por se tornar baseados em assinatura (ou seja, The Wall Street Journal).

A publicidade era muito difícil durante esse período, porque não havia infraestrutura para organizar adequadamente a publicidade (a forma predominante de anunciar sob a forma de banners), e muito poucas empresas estavam dispostas a gastar dinheiro na internet para anunciar.

FASE 1 – MUNDO DESCENTRALIZADO 1992–1997

Sites gratuitos com texto, imagens e links:

  • De Mosaic a Altavista
  • Monetization com alguma publicidade

Durante a segunda fase, ou segunda era da internet, entre 1998 e 2003, a publicidade digital tornou-se mais desenvolvida e estruturada, e os sites puderam começar a monetizar seu tráfego.

Muitos outros sites seguiam o modelo de assinatura, mas ainda assim a publicidade era a mais preferida.

Nessa fase, a enorme quantidade de informações na Internet era esmagadora para os utilizadores e havia uma clara necessidade de um ponto de entrada eficiente através dos motores de busca.

Primeiro, havia o AltaVista e o Lycos, e o Google apareceu.

O Google surgiu em 1999 e foi o primeiro sinal de centralização. Apesar disso, o sistema global permaneceu principalmente descentralizado.

FASE 2 – PRIMEIROS ELEMENTOS DE CENTRALIZAÇÃO 1998–2003

Websites & Blog

Websites gratuitos com texto, imagens, vídeos e links:

  • Primeiro mecanismo de busca centralizado – goto, google, etc.
  • Construir infraestruturas de publicidade
  • Primeira infraestrutura de blog – bloguista, etc.
  • Primeira rede social – sixdegrees

Na terceira fase, de 2004 a 2017, houve uma tentativa de introduzir INTERAÇÃO no sistema.

A tecnologia do sistema descentralizado NÃO FOI CAPAZ de ter e agilizar esses tipos de funções, então isso iniciou um período em que várias REDES SOCIAIS especializadas começaram a oferecer tipos de serviços interativos (o primeiro era o SixDegrees).

Ao longo desses anos, as redes sociais, por meio de anúncios e conteúdos interativos, absorveu grande parte da receita de publicidade e, por sua vez, devolveu uma pequena parte dessa receita aos influenciadores.

Os elementos-chave dessa fase ainda são dominantes.

FASE 3 – MUNDO CENTRALIZADO 2004–2017

Redes interativas

Cada rede social representa um tipo diferente de interação: compartilhamento de vídeo ou foto, etc.
A rede social centralizada absorve a maioria das receitas de publicidade. Enquanto isso, algumas redes sociais devolvem uma pequena parte da receita de publicidade aos influenciadores.

Mas hoje, em 2018, estamos no início de uma quarta fase.
A tecnologia Bitcoin apresenta uma abordagem radicalmente nova para produzir dinheiro (ou seja, o dinheiro criptografado): livrando-se de um controlador central (bancos centrais) e gerando dinheiro através da interação de pessoa para pessoa (peer-to-peer).

Assim, o Bitcoin e a tecnologia revolucionaria blockchain livram-se de intermediários, enquanto mantêm a capacidade de funcionalidades interativas.
Essa tecnologia está agora a passar da criação de dinheiro para todas as outras áreas da Internet.

Os recursos interativos funcionam com base em blockchain (cadeia de blocos), que permitem interações seguras e semi-privadas.

Esse tipo de descentralização é possível porque as funções interativas podem ser ativadas apenas com um token de utilidade específico que RECOMPENSA a interação entre todos os participantes da troca.  Assim, o incentivo gerado para entrar nas novas redes descentralizadas é a possível reavaliação do token de utilidade específico (ou ganho de capital).

A reavaliação é assegurada pelo limite máximo da emissão da moeda / token específico a cada empresa. (A emissão de moedas / tokens é limitada a um valor fixo estabelecido no início do lançamento da empresa.)

Portanto, temos que concluir que um blockchain não tem sentido sem um token integrado, e que essa estratégia “token + blockchain” tem a capacidade de destruir uma grande parte do mundo centralizado em que estamos a viver.
Um exemplo como a Bee Token está tentando prejudicar o Airbnb.
(Divulgação: o Utilizador tendo uma pequena quantidade de moedas da Bee Token pode arrendar uma casa em qualquer parte do mundo, sem utilizar dólares, euros ou outra moeda convencional. este é um de muito exemplos disponíveis.)

FASE 4 – REDES INTERATIVAS DESCENTRALIZADAS 2018-2021

Redes Sociais baseadas em Blockchain: Bee Token vs Airbnb

Transações somente via Bee token – Incentivo em cryptomoeda para construir a rede:
– Crescimento da moeda Bee token em valor, devido ao aumento do Valor de mercado (Market Cap).
O que está acontecer com o Airbnb pode ser estendido para o futuro desaparecimento do Facebook. Pode demorar um pouco (talvez 5 anos ou 8 anos?), Mas sua trajetória está definida: eles estão condenados.
Estão a começar a desvendar a sua centralização (como recentemente com a publicação dos dados pessoais dos utilizadores) e serão destruídos, juntamente com seu modelo de negócios.

Essa previsão também explica por que o Facebook proibiu a publicidade em cryptomoedas – estão a tentar a adiar sua própria morte por tanto tempo quanto possível.

Os clientes / utilizadores devido a centralização tem desistido da sua privacidade, estas empresas controlam seus dados que se tornam vulneráveis a violações de segurança e privacidade. Esse problema com as plataformas centralizadas no futuro proximal está prestes a terminar. Com a ajuda do Blockchain vamos passar a controlar os nossos dados, receber por dar permissão de utilização dos nossos dados pessoais, vai retomar a controlar seus dados pessoais.

Um exemplo como a empresa Pillar está a tentrar devolver aos utilizadores o controlo dos seus dados pessoais.

 

Conclusão:

A descentralização é um conceito comumente mal compreendido. Por exemplo, às vezes se diz que a razão pela qual os defensores da crypto favorecem a descentralização é resistir à censura do governo ou por causa de visões políticas libertárias. Estas não são as principais razões pelas quais a descentralização é importante.

Se analisar os problemas com plataformas centralizadas. Plataformas centralizadas seguem um ciclo de vida previsível. Quando começam, fazem tudo o que podem para recrutar clientes, utilizadores e complementos de terceiros, como empresas e organizações de publicidade. Fazem isso para tornar seus serviços mais valiosos, já que as plataformas (por definição) são sistemas com efeitos de rede multilaterais. À medida que as plataformas crescem, seu poder sobre os clientes / utilizadores e terceiros aumenta constantemente.

Quando atingem o topo, seus relacionamentos com os clientes / utilizadores muda de dia para a noite. A maneira mais fácil de continuar a crescer é extrair dados dos clientes / utilizadores e vender esses dados a terceiros para terem mais lucros. Exemplos históricos disso são Microsoft, Google, Facebook e Twitter.

 

 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Tendências

Translate »